O Senhor Plínio José de Amorim Nasceu em Rajada, ainda quando fazenda de propriedade de seus pais, em 02 de outubro de 1908 e faleceu em 30.08.1999, casado com Maria Coelho de Amorim (D. Lili), teve cinco filhos: Joaquim Coelho de Amorim (ex Vereador), Juarez Coelho de Amorim (ex Vereador), Josival Coelho de Amorim, Jisivan Coelho de Amorim , Adalberto Coelho de Amorim (já falecido). Durante a sua vida economicamente ativa, eram muitas as limitações que cerceavam o desenvolvimento de todas as pessoas do interior de Petrolina.

Ele também padecia das mesmas dificuldades da época. O que mais o diferenciava dos seus conterrâneos interioranos era a coragem de enfrentar situações novas, o espírito de solidariedade humana, sua capacidade de reivindicar ações governamentais para sua comunidade, sua capacidade de semear a harmonia entre as pessoas, sua sensibilidade de justiça, sua vontade de servir em qualquer dificuldade.

Vereador Plínio Amorim de Petrolina
Vereador Plínio Amorim de Petrolina

Buscava com criatividade solução para qualquer tipo de problema, desde os mais simples até os mais complexos que lhe fossem colocados.

Por estas características foi inevitável sua transformação em um líder comunitário, sentindo-se obrigado a atender com seus préstimos pessoais em todas as aflições que abatia toda aquela gente.

Esta necessidade o levou a se desdobrar cada vez mais para atender a todos. Ele sentia a sensação de que, abaixo de DEUS, somente nele era que as pessoas depositavam suas esperanças para terem resolvidas suas dificuldades. Ninguém mais na região de Rajada se apresentava com tamanho desprendimento e boa vontade em ajudar.

Em 1930, quando foi nomeado prefeito de Petrolina, Dr. Pacífico da Luz (médico) identificou nele como um grande agente de saúde, por tudo que ele já fizera, até então. O primeiro pacto entre os dois: nenhuma mulher morreria mais, de parto, naquele interior. Lamentavelmente, a grande maioria das mulheres não tinha como chegar a tempo, por conta do difícil acesso e da distância até a cidade.

O Senhor Plínio Amorim sempre batalhou pela transferência destas mulheres para a cidade, tão logo se aproximasse o dia do parto. A ideia se tornava mais difícil porque também havia a resistência das próprias parturientes em se afastarem de suas residências nas fazendas.

Somente com a criação do chamado Posto de puericultura de Rajada foi possível a ideia de se ter as parturientes, egressas das fazendas, alojadas próximo ao serviço mais técnico de maternidade.

De qualquer sorte o Senhor Plínio Amorim juntamente com sua esposa, D. Lili Amorim, passou a fazer um verdadeiro cadastro e acompanhamento das mulheres grávidas para assistirem a elas em qualquer complicação, da gestação ao parto.

Neste campo das tantas situações a ele recorrido, destaca-se um caso de prolápso uterino que deixou a parteira desorientada e sem ação. Não restava outra saída que não recorrer à capacidade criativa do Senhor Plínio Amorim , ele foi solicitado a resolver o caso e resolveu.

Não precisou mais do que seis horas de muita paciência e jeito para se ter a criança salva e a parturiente com o útero retornado ao seu ventre, mantendo-se numa vida normal por mais 40 anos, e que teve depois outra gestação com parto normal e sem maiores complicações.

Foram centenas de casos mais simples em que, não se tinha outro a quem recorrer. Por esta razão, como dizia ele, pelas suas mãos Deus operou verdadeiros milagres. Perna, braços, fraturas expostas, cabeça quebradas, doenças outras e até epidemias tiveram que recuar diante do entrincheiramento estabelecido através do Senhor Plínio Amorim.

Na mesma era de trinta, o Senhor Plínio Amorim e sua esposa por um período de 60 dias viajaram a cavalo, administrando remédio recomendado pelo Dr. Adolpho Viana de Juazeiro e financiado pelo o Cel. Quelê, no combate ao chamado impaludismo que atingiu grande parte da população do interior de Petrolina.

Dona Lili Amorim atendeu nas fazendas mais próximas de Rajada, a cavalo, e o Senhor Plínio Amorim também a cavalo, visitou as Fazendas mais distantes e alcançou até a região de Lagoas e Cristália.

Em 1946 veio a primeira eleição para prefeito e vereadores. O Senhor Plínio não teve como fugir da candidatura, tornando-se vereador de Petrolina. Com sucessivas renovações de mandatos durante 26 anos, seguido do seu Filho mais velho, Joaquim durante quatro anos, até aí no ano de 1972 não havia remuneração para vereadores, só a partir de 1976 é que passaram a receber. Em seguida, seu filho Juarez Amorim por 16 anos foi vereador. Em seguida o seu sobrinho Odacy, por forte incentivo dele ainda de menor idade , foi lançado para ser o presidente da associação comunitária de Rajada, e depois com apenas 20 anos foi eleito vereador, onde ficou por 12 anos.

Ele era apaixonado por política, fazia por amor, por isso era considerado o maior lider político do interior do município de Petrolina, respeitado por todos políticos.

Sempre acompanhou o grupo dos Coelhos, desde seu Quele até Fernando Bezerra Coelho. Durante os últimos cinco anos de sua vida, mesmo postado sobre uma cama, pediu e foi levado para exercer o seu direito de voto.

Não há a menor dúvida de que o Senhor Plínio Amorim com sua modestíssima escolaridade de apenas seis meses, ministrada por professor leigo, estava à frente do seu tempo.

Ele realizou, incansavelmente, tudo o que era possível, e em todas as áreas de ação, em prol de vida mais digna para seus contemporâneos.

E para que se perenize tão grande exemplo de luta e de desprendimento pela saúde pública, nada mais justo e inspirador às gerações futuras do que se avivar a memória deste grande homem, numa justa homenagem foi dado o seu nome a AME de Rajada

A outra homenagem que foi feita, para que essa nova geração de políticos tenha conhecimento, que em Petrolina já teve um vereador que por 26 anos trabalhou muito ajudando o seu povo, especialmente a população do interior, sem ganhar nenhum centavo.

Eu tenho 23 anos que trabalho na câmara de vereadores, e todos os dias quando eu vou trabalhar que chego em frente ao prédio da câmara municipal, e olho para o busto do senhor Plínio Amorim, eu sinto orgulho , porque o nome que foi dado ao prédio, o seu nome foi a maior homenagem que se poderia conceder a uma pessoa,que FOI VEREADOR POR AMOR PARA AJUDAR O PRÓXIMO, SEM ESPERAR NADA EM TROCA.

PARABÉNS SENHOR PLÍNIO AMORIM, PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA POLÍTICA DE PETROLINA!

Publicado por Hermes Alves

Sou fundador deste site, projeto que iniciei em 1999 realizando a primeira transmissão ao vivo para a Internet de um evento junino. Sou formado em Marketing com especializações internacionais em Informática e um amante descarado por nossa querida cidade, Araripina Pernambuco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.