Uma palavrinha sobre a Inclusão Social !

Os antecedentes históricos nos quais se fundamenta essa temática datam da Grécia ou Mundo Antigo onde as crianças com deficiência física ou  mental eram jogadas nos esgotos ou do alto de montes. Na Idade Média, as pessoas com deficiência só encontravam abrigo nas igrejas, lugar aonde viviam isoladas do convívio com a sociedade; os deficientes tinham a função de “bobos da corte” e eram vistos como seres diabólicos que mereciam castigos para terem seus demônios expurgados.

Passados os séculos, as transformações sociais, econômicas e culturais, possibilitaram que novas práticas discursivas fossem sendo construídas e a percepção das pessoas com deficiência mudou consideravelmente.Nesse processo,  a  Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e  a Declaração de Salamanca (1994), constituem-se enquanto os principais dispositivos legais que asseguram e legitimam  o acesso das pessoas com necessidades especiais aos Direitos constitucionalmente estabelecidos para todos os indivíduos de uma sociedade.

Falar em Inclusão Social envolve necessariamente reconhecer que toda a pessoa tem o direito a segurança, proteção,  afeto, educação, moradia, saúde e lazer, independentemente da sua condição física ou mental. Defender as temáticas de Inclusão, é reconhecer que o acolhimento à diversidade humana, constitui-se enquanto a principal atitude a ser tomada em relação ao outro. A criança, que, por uma mutação genética, uma má formação nas estruturas neurológicas , um acidente cotidiano ou que foi exposta a um ambiente de contingências aversivas e por isso teve as suas funções físicas ou mentais alteradas, não pode e não deve ser excluída dos cuidados da família, da sociedade e do Estado. Infelizmente, a maior parte das deficiências mentais e físicas é associada a alguém que será “improdutivo”, que não poderá contribuir para o funcionamento da “máquina do capital”. De fato, alguns tipos mais graves de comprometimentos podem “incapacitar” o sujeito para o exercício de algumas importantes funções. Ocorre que, uma grande parte das deficiências físicas ou mentais, poderia ter seus efeitos minimizados, se os sujeitos tivessem acesso a um sistema de educação, de tratamentos de saúde e formação profissional adequados.  

Sem a pretensão de finalizar um tema de ampla necessidade de discussão, pontuo que ao falarmos em educação, tratamentos de saúde, e outros mecanismos de assistência, não estamos querendo tornar as pessoas com necessidades especiais iguais as outras pessoas sem essas necessidades;  afinal de contas, foi a própria condição de diversidade, de variabilidade,  que tornou a espécie humana capaz de evoluir. Reconhecer que aqueles primeiros possuem particulares diferenças, assim como todas as outras pessoas também são diferentes entre si, é reconhecer que ser diferente não é ser melhor e nem pior, em termos de um julgamento valorativo. O que se preconiza é a viabilização de mecanismos de assistência que reduzam as dificuldades enfrentadas em função do comprometimento físico ou mental que a pessoa possui e, com isso, melhorar a sua qualidade de vida.

            Os discursos não devem encerrar-se no âmbito da utopia. A efetivação da Inclusão Social se embasa em ações, em formulação de estratégias inclusivas e é para refletir sobre essas estratégias que a presente discussão convida os leitores.

Publicado por Hélida Luanna

Olá ! Sou natural de Araripina, cidade por a qual tenho muito apreço. Atualmente resido em Petrolina- PE, curso o 8º período de Psicologia na Universidade Federal do Vale do São Francisco. Contribuo nesse site com a postagem de matérias cujos conteúdos são pertinentes a minha área de atuação, com o objetivo de trazer informações sobre temas relevantes para a população.

Participe da discussão

5 comentários

  1. Muito pertinente a discussão trazida pela autora sobre o processo de inclusão. Especialmente quando nos deparamos com nossa realidade, que carece de investimentos e desenvolvimento de politicas públicas efetivas e eficazes que garantam o direito à vida (digna,autonoma). Se lançarmos o olhar para a saúde, a própria implantação, e APROPRIAÇÂO, da Politica Nacional de Saúde da Pessoa com Deficinecia por nossos governantes já seria um passo crucial na mudança de perspectiva.

    Mais uma vez, felicito a iniciativa;

  2. A discussão sobre a inclusão social tem se mostrado presente em meio à comunidade acadêmica,e acho fundamental levá-la a sociedade de modo geral, coisa que este texto faz com excelência. Parabéns a autora pelo trabalho.

    A inclusão social, na prática, enfrenta alguns problemas. Estes problemas encontram-se justamente na criação de condições para que isto seja possível, já que a estrutura de nossas cidades, muitas vezes não contribui. A formação de professores, muitas vezes não contribui. A própria cultura não contribui, muitas vezes.

  3. …complementando o que eu disse…

    Creio que para começar a mudar isso, é essencial um trabalho de orientação à sociedade. Feito isto, creio que a própria se encarrega de criar condições para a inclusão. O texto está ótimo, irei indicá-lo a algumas pessoas que trabalham com isso em minha faculdade.

  4. olá muito petinente cada comentario qui feito! porém creio que a maior dificuldade em se tratar de inclusão e justamente as pessoas que dela nescessitão. há tempos atrás quando se falava em odorico paraguacu, pensava-mos que eleitores negociavão seus votos em dentaduras por exemplo. hojé essa questão, ficou pior o que mais ve e; pessoas com deiciência trocando meia molea por voto! paresse que retroagimos quando falamos em direitos, conquistas e consientização! senhores eu sou voluntaria andante em minha cidade e digo… como e dificil ajudar essa poulação! eles na maioria das veses se achão coitados, vitimas e muito mais incapasses que são na verdade. sou casada com um deficiênte que pensa de uma maneira muito ampla quanto a inclusão. achamos em comum acordo que; deficiênte precia e de oportunidade por igual direito lutamos por isso e garantimos tudo que a lei diz que ele tem direito!
    Gostaria de deixar uma uma mensagém para os (PNE).Parém de se acharem coitados!, parém de ter medo!, parém de ter dó de se mesmo. Vão a luta gritem, fazem ser ovidos, sejam unidos pois vcs são umas das classes mais desunidas que já vi! infelismente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.