O Direito a Saúde em Araripina – SUS.

* Hélida Luanna Reis

 

 

O Brasil é um país que, desde o seu processo de colonização, foi submetido a condições de exploração de seus recursos materiais e humanos. Elites dominantes, escravidão, alta taxa de concentração de poder e de riqueza, práticas coronelistas e clientelistas, ditadura militar, corrupção… Nesse contexto, parece que as noções de cidadania e de direitos, foram renegadas às camadas populacionais de nível socioeconômico mais baixo. Isso significa que as atuais condições em que vive a população não são “naturais”, elas são produtos de processos historicamente construídos e que com as devidas intervenções são possíveis de serem alteradas.

Ao longo de muitos anos, não se cogitaram ações práticas sobre a saúde da população enquanto um direito a ser garantido pelo Estado, é apenas em 1988 com a legislação do SUS que Saúde se torna um Direito.

Como se sabe, o Brasil é um país que possui uma diversidade imensa em suas camadas populacionais, as desigualdades socioeconômicas não permitem que a maioria da população tenha acesso aos serviços de atenção médica em um consultório privado. Atualmente, a estruturação e o estabelecimento do SUS é que tenta solucionar esse problema social. Muitos desafios tem se manifestado nesse processo de implantação, o que exige das autoridades responsáveis pelo gerenciamento dos recursos humanos e materiais da saúde pública, um conhecimento específico e ações eficazes sobre as reais necessidades de saúde próprias de seu município, uma habilidade de manejo e gestão das equipes de saúde e um comprometimento ético com os princípios que fundamentam a implantação do SUS.

Convém esclarecer que “ter saúde como um direito” não significa apenas que as pessoas irão ter uma consulta médica e esse saber do médico irá resolver o problema da doença apontada pelo sujeito. O SUS preconiza que os cidadãos sejam co- participantes do processo de se promover saúde e não apenas curar doenças. Estar saudável exige uma série de condições que não se resumem apenas a tomar uma medicação prescrita. O conceito de saúde é algo mais amplo e que convida a comunidade a se questionar sobre o papel que cada esfera social ( escola, igreja, Estado, família) tem na melhoria das condições de saúde dos indivíduos.

Muitas estratégias tem sido desenvolvidas para que o SUS venha a cumprir o papel ao qual se destina: propiciar melhoria na qualidade de vida da população brasileira. Atualmente as universidades, as instituições políticas, encontram-se em um momento de discussão calorosa sobre a necessidade de consolidação das estratégias de assistência a saúde que são preconizadas pelo SUS .

Esse artigo tem o objetivo convidar os caros leitores para algumas reflexões:

– O que é estar saudável? Ter saúde depende de que?

-A assistência a SAÚDE É UM DIREITO do cidadão E NÃO UM BENEFÍCIO OU UM FAVOR CONCEDIDO.

– O principal problema enfrentado para a consolidação do SUS não é a falta de recursos, mas o gerenciamento dos mesmos.

-O que os cidadãos araripinenses tem feito pela busca de melhores condições de assistência a saúde da população?

Publicado por Hélida Luanna

Olá ! Sou natural de Araripina, cidade por a qual tenho muito apreço. Atualmente resido em Petrolina- PE, curso o 8º período de Psicologia na Universidade Federal do Vale do São Francisco. Contribuo nesse site com a postagem de matérias cujos conteúdos são pertinentes a minha área de atuação, com o objetivo de trazer informações sobre temas relevantes para a população.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.