SINTOMAS DE POBREZA

CORDEL: “ SINTOMAS DE POBREZA”
Autor: Cacá Lopes
Literatura de Cordel

Ri é o melhor remédio
Tristeza não leva a nada
A alegria faz bem
Tá no rosto da moçada
Pois se a vida é dura
O negócio é dar risada.

Por isso escolhi o tema
Os sintomas de pobreza
O cordel vai esclarecer
Essas frases com clareza
Na cultura popular
Que é nossa maior riqueza.

É sintoma de pobreza
Tudo o que eu vou citar:
Colocar bombril na antena
Da TV pra melhorar
A imagem, ou pedir
Pra alguém ir balançar.

Usar saco de arroz
Tio João pra encapar
Aquele livro do filho
Material escolar,
E com um vale transporte
Um churrasquinho comprar.

Balançar lâmpada queimada
Pra ver se volta acender
Botar acetona em esmalte
Só pra ver ele render
Por dedo em danoninho
E inda por cima lamber.

Não tirar plástico dos bancos
Ao comprar um carro zero
Parar um amigo na rua
Só para levar um lero
Usar ônibus clandestino
Esse sintoma não quero.

Ir a festa com camisa
De time de futebol
Usar embaixo da cama
Um vaso de urinol
Lavar fralda descartável
Usando o pinho sol.

Tomar cerveja em casa
Em copos de requeijão,
Xerocar foto de amigo
E usar de recordação
Lamber ponta de borracha
Pra apagar um borrão.

É sintoma de pobreza
Ter nome cheio de cá (k)
Letras duplas: w, y
E também em letra agá (h)
Usar caco de tijolo
Pra escorar o sofá.

Usar resto de sabão
Pra tapar o vazamento
Do bujão de gás, na certa
Não lhe trás constrangimento,
Enfeitar a estante com
Lembranças de casamento.

Aguarde breve lançamento do Cordel completo “SINTOMAS DE POBREZA”

Pregar um monte de treco
Na porta de geladeira
Ouvir pagode bem alto
Acordando a rua inteira
Fazer compra de frutas
Mas só no final da feira.

Queimar cartela de ovo
Para as moscas espantar
Arrancar planta da praça
Pra em casa replantar
Acordar cedo aos domingos
Só pra seu carro lavar.

Tem uma atriz de novela
Que é linda feito Eva
Vive falando em cena
Que ser pobre é a treva
Tem sintoma de pobreza
Quem esse bordão eleva.

CORDEL: “ SINTOMAS DE POBREZA”
Autor: Cacá Lopes

Ri é o melhor remédio
Tristeza não leva a nada
A alegria faz bem
Tá no rosto da moçada
Pois se a vida é dura
O negócio é dar risada.

Por isso escolhi o tema
Os sintomas de pobreza
O cordel vai esclarecer
Essas frases com clareza
Na cultura popular
Que é nossa maior riqueza.

É sintoma de pobreza
Tudo o que eu vou citar:
Colocar bombril na antena
Da TV pra melhorar
A imagem, ou pedir
Pra alguém ir balançar.

Usar saco de arroz
Tio João pra encapar
Aquele livro do filho
Material escolar,
E com um vale transporte
Um churrasquinho comprar.

Balançar lâmpada queimada
Pra ver se volta acender
Botar acetona em esmalte
Só pra ver ele render
Por dedo em danoninho
E inda por cima lamber.

Não tirar plástico dos bancos
Ao comprar um carro zero
Parar um amigo na rua
Só para levar um lero
Usar ônibus clandestino
Esse sintoma não quero.

Ir a festa com camisa
De time de futebol
Usar embaixo da cama
Um vaso de urinol
Lavar fralda descartável
Usando o pinho sol.

Tomar cerveja em casa
Em copos de requeijão,
Xerocar foto de amigo
E usar de recordação
Lamber ponta de borracha
Pra apagar um borrão.

É sintoma de pobreza
Ter nome cheio de cá (k)
Letras duplas: w, y
E também em letra agá (h)
Usar caco de tijolo
Pra escorar o sofá.

Usar resto de sabão
Pra tapar o vazamento
Do bujão de gás, na certa
Não lhe trás constrangimento,
Enfeitar a estante com
Lembranças de casamento.

Levar tapewere em festa
De criança pra trazer
Um pedacinho do bolo
Pra noutro dia comer
É sintoma de pobreza
Que todo mundo vai ver.

Pregar um monte de treco
Na porta de geladeira
Ouvir pagode bem alto
Acordando a rua inteira
Fazer compra de frutas
Mas só no final da feira.

Queimar cartela de ovo
Para as moscas espantar
Arrancar planta da praça
Pra em casa replantar
Acordar cedo aos domingos
Só pra seu carro lavar.

Tem uma atriz de novela
Que é linda feito Eva
Vive falando em cena
Que ser pobre é a treva
Tem sintoma de pobreza
Quem esse bordão eleva.

Publicado por Cacá Lopes

Sou cantor e compositor profissional, além de poeta popular. Trabalho com música e cordel.Nasci em Araripina-PE, no sopé da chapada do Araripe, região encantada que deu a humanidade Patativa do Assaré e Luiz Gonzaga, referenciais sempre presentes em minha arte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.