Projeto vencedor da Ciência Jovem vai capacitar agricultores no combate a parasitas do solo

A qualidade dos vegetais que chegam à mesa dos sertanejos de Araripina e região vem sendo ameaçada pela presença de “intrusos” que detém alto poder de destruição agrícola e trazem grandes prejuízos econômicos: os nematóides. Foi o que constatou uma pesquisa desenvolvida por alunos do curso técnico de Educação a Distância (EAD) de Agente Comunitário de Saúde, do Centro Tecnológico do Araripe, coordenado pela Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Sectma). De nome divertido, que faz trocadilho com um clássico do cinema animado, o projeto “Procurando Nema! Análise da Qualidade e Impacto Ambiental Provocado em Solos com a Presença de Nematóides no Município de Araripina” arrebatou o primeiro lugar na 15ª Ciência Jovem, a quarta maior feira de ciências para estudantes e professores do País, que aconteceu de 28 a 30 de outubro, no Espaço Ciência. O projeto concorreu com mais de 65 inscritos na categoria Incentivo à Pesquisa.

O trabalho tem o objetivo de determinar as características microbiológicas do solo, analisando fatores bioquímicos e metabólicos para avaliar sua qualidade e determinar seu potencial agrícola. Para isso, foi realizada uma pesquisa com os agricultores da região, para verificar o conhecimento deles sobre a presença destes microrganismos em suas culturas de subsistência. Cerca de 80 questionários foram aplicados entre os meses de julho e outubro.

A metodologia utilizada foi a coleta de amostras de solo nas profundidades de 15-20 cm. Parcerias com instituições como o Centro Acadêmico de Vitória de Santo Antão (CAV/UFPE) possibilitaram o processamento das amostras e o entendimento da biologia de nematóides. Para garantir a continuidade da pesquisa, foram feitas algumas adaptações com materiais de baixo custo, já que o protocolo original indicava a utilização de peneiras de preço elevado (“peneiras de mesh”). O grupo percebeu que utilizando tecidos mais baratos e bastidores de bordado, os resultados seriam bem expressivos.

O resultado do estudo apontou para a necessidade de capacitação e de orientação dos agricultores como medida preventiva no combate a estes microorganismos, uma vez que o desconhecimento da biologia dos nematóides é uma das possíveis causas aos prejuízos agrícolas das culturas da região. Um dos reflexos disso seria, por exemplo, a diminuição no uso de ofensivos agrícolas (agrotóxicos). A medida proporcionaria o aumento da oferta de vegetais, empreendendo uma luta por melhores condições na qualidade de alimentação da comunidade.

“Por enquanto, a pesquisa está em fase de análise de amostras de solo ainda. Após esse período, os alunos passarão por uma capacitação com um técnico no local, para que, assim, os agricultores da região possam ser orientados”, explicou Azenildo Siqueira, um dos orientadores da pesquisa.

O projeto foi realizado pelos alunos Cícero Wellington, Raimunda Martins, Marines de Moura, Maria de Lourdes Oliveira, Francisco Andearly e Francisca Cledelnice, sob a orientação dos professores Antônio Carlos Mendes, Marília Sales, Azenildo Siqueira, Ricardo Pontes, Cibele Lucena e Socorro Iranilde. Apoiaram a iniciativa os professores Romero Moura e Idjane Oliveira (CAV/UFPE).

Fonte: http://www.sectma.pe.gov.br/noticias_ler.asp?noticia=1947

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.