Em Pernambuco, existem 1.700 pacientes na fila de espera por um transplante, mas quem precisa de uma córnea encontra uma situação bem mais confortável: a fila, que já teve uma espera de cinco anos, foi zerada neste mês de maio, de acordo com o Banco de Olhos do Recife.
A fila zerou graças à solidariedade: o número de doações aumentou. “Acho que a gente tem que comemorar porque é o melhor presente que poderíamos dar à população. Uma lista zero de transplante de córnea significa que se uma pessoa chegar hoje, precisando de um transplante, ela só precisa do tempo para fazer os exames pré-operatórios, o parecer cardiológico e os exames de sangue, e imediatamente nós já temos uma córnea para oferecer para ela. Isso é muito da realidade em que as pessoas esperavam até cinco anos por um transplante de córnea”, explica Ana Catarina Delgado, diretora do Banco de Olhos do Recife.

As córneas podem esperar pelo transplante por até 14 dias. Se nesse tempo não aparecer um paciente pronto para receber a doação, elas não são perdidas: o Banco de Olhos repassa para a Central Nacional de Transplantes, que encaminha para outro estado, onde a lista de espera seja maior. “A doação, apesar de ser um gesto simples, é um gesto muito poderoso, está aí a prova. A gente agradece a essas pessoas que doaram e a gente pede as outras famílias continuem doando, para que a gente consiga manter a situação como ela está hoje”, afirma Ana Catarina.

A aposentada Nilza Negromonte Lima se submeteu ao transplante de córnea na época em que a fila estava bem grande. Ela teve que esperar cerca de 3 anos para chegar sua vez. A cirurgia aconteceu em 2009 e, desde então, ela voltou a enxergar com o olho esquerdo. “Eu coloco linha em agulha de mão, de máquina… e faço tudo dentro da minha casa”, comemora.
A Central de Transplantes de Pernambuco trabalha para reduzir as filas de espera para transplantes de outros órgãos. Quem precisa de um rim, por exemplo, encontra hoje 1.500 pessoas no aguardo. “Essas pessoas só vão poder transplantar nesses casos, quando o indivíduo tem o diagnóstico neurológico da morte”, esclarece Noemy Gomes, coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco.

Publicado por Hermes Alves

Sou fundador deste site, projeto que iniciei em 1999 realizando a primeira transmissão ao vivo para a Internet de um evento junino. Sou formado em Marketing com especializações internacionais em Informática e um amante descarado por nossa querida cidade, Araripina Pernambuco.

Deixe um comentário

O que você achou disto?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: