Ações emergenciais contra seca em Pernambuco

Anunciaram segunda-feira (15), em Recife (PE), R$ 20 milhões para ações emergenciais nas sedes urbanas de municípios pernambucanos com objetivo de minimizar os efeitos da seca, foi anunciado pelo ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi.

Os investimentos serão destinados ao abastecimento de água por carro-pipa e á implantação de adutora de engate rápido. Os recursos foram garantidos com a assinatura do Termo de Compromisso pelo ministro e pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara.

“O governo federal presta apoio ao estado de Pernambuco. Suas demandas serão sempre analisadas e viabilizadas sempre que possível por parte do Ministério da Integração Nacional”, afirmou o ministro, em cerimônia no Palácio do Campo das Princesas. “A presidenta Dilma Rousseff teve sensibilidade e aprovou, no mês passado, medida provisória para complementar os recursos da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. Esses recursos irão ajudar nove estados brasileiros”, completou.

Para que os municípios sejam atendidos, deverão ter o reconhecimento federal de situação de emergência, necessitar de fornecimento de água por carro-pipa na região urbana e ter um local com recursos hídricos para construção das adutoras de engate rápido com objetivo de restabelecer o manancial afetado com a seca.

 

No Dia Mundial da Água, um alerta para problemas encontrados no Rio São Francisco

Neste domingo (22) é comemorado o Dia Mundial da Água. A data traz também um alerta para a situação do Rio São Francisco. Entre os principais problemas encontrados estão a derrubada da mata ciliar, o assoreamento e os esgotos que deságuam todos os dias no rio.
O Rio São Francisco é um dos mais importantes cursos d’água do Brasil. São 2.800 quilômetros de extensão que cortam seis estados brasileiros e o Distrito Federal. A quantidade de água é de impressionar, mas o rio tem apresentado uma baixa do nível e, em alguns trechos, acontece a formação de bancos de areia.
A situação se agravou mais nos últimos cinco anos por causa da estiagem. De acordo com o sargento do Corpo de Bombeiros, Edian Rodrigues, quem navega há muito tempo no rio percebe os sinais da degradação. “O banco de areia é muito grande e ele começa na Ilha do Massangano e vem descendo a cada dia. Há cinco anos ele está mais perceptível e a gente que já navega há algum tempo percebe que foi aos poucos e hoje ele está bem aparente. Até nos mapas dá para ver esse banco de areia”, explica.

A baixa do Rio São Francisco não é a única preocupação dos ribeirinhos e especialistas. Todos os dias, milhares de litros de esgoto são despejados no Velho Chico. E um dos sinais dessa poluição é a presença de plantas aquáticas como as baronesas. “As pessoas ficam achando que as baronesas são maléficas para o rio, mas elas não são, elas ajudam na purificação da água. Só que é um tipo de planta que só se alimenta de água poluída”, explica o ambientalista, Vitório Rodrigues.
O lixo jogado às margens do rio e o desmatamento da mata ciliar gera outro grande problema, o assoreamento. “A perda da vegetação da mata ciliar principalmente na parte de Juazeiro-Bahia e Petrolina, em Pernambuco, é por causa de vários fatores como a exploração de minério e agricultura irrigada. Então houve uma perda muito grande da vegetação e, por conta disso, nós temos vários outros problemas consequentes como o caso da erosão e desmoronamento de barreiras”, argumenta Rodrigues.
O Representante do Comitê da Bacia Hidrográfica, Aluízio Gomes, afirma que o alerta em relação à situação do rio está sendo feito há muito tempo. “O Comitê da Bacia Hidrográfica foi criado em 2001 e em 2002 ele começou a sua efetiva ação. É o único organismo do país que especificamente defende o Rio São Francisco porque tem representações diversas.O problema é gravíssimo e estamos atentos”, destaca Gomes.
O Comitê também planeja ações para conter a degradação do Rio São Francisco. “O Comitê está fazendo um estudo de todo plano de ações que devem ser efetivadas no Rio São Francisco. São mais de 500 anos de degradação e este é um projeto de longo prazo com educação ambiental de todos os níveis de educação. O setor elétrico é o grande culpado pela questão da vazão e que precisa gerar energia. Represa as águas e prejudica populações”, garante.
No dia 20 de maio será realizada uma plenária em Petrolina. A cidade, que é uma das mais importantes da calha do rio, vai receber representações e discutirá com a população o estado do Rio São Francisco.

Agricultores atingido pela seca terão dívidas prorrogadas por 10 anos

Atenção agricultores de todo o Brasil! O governo federal prorrogou por dez anos as dívidas de agricultores afetados pela seca. A resolução foi divulgada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), na semana passada. A decisão vale para as parcelas que venceriam em 2012, 2013 e 2014. O pagamento do valor refinanciado começa em 2015 para produtores em geral e em 2016 para agricultores familiares. Em entrevista ao programa de rádio Café com a presidenta, Dilma Rousseff explica como ocorrerá a prorrogação.

SONORA: DILMA ROUSSEF

O Conselho publicou ainda uma resolução autorizando agricultores da Região Nordeste a renegociar dívidas contratadas até 2006, utilizando recursos do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE) e do Fundo Constitucional do Norte (FNO). A taxa de juros do refinanciamento será 4,12% ao ano, mas pode cair para 3,5% graças a um bônus de adimplência de 15%. Além disso, foi retirada a obrigatoriedade de entrada para os financiamentos.

Codevasf, uma empresa vinculada ao Ministério da Integração Nacional
Governo Federal – Brasil: país rico é país sem pobreza.

Mais informações: www.codevasf.gov.br
Contato: Assessoria de Comunicação e Promoção Institucional da Codevasf
Fone: (61) 2028 – 4758/4627/4769
E-mail: [email protected]