UMA ESPECIAL HOMENAGEM AO PRECURSOR DA EMANCIPAÇÃO DE ARARIPINA

homenagem
Francisco Da Rosa Muniz (Chico Cícero)

Araripina está completando 81 anos de emancipação. Busquei nos anais da história dessa cidade, vários registros da sua luta em prol da sua independência. Talvez, nenhum tenha sido tão marcante como a luta de um dos seus pioneiros, que aqui faço o meu registro com muito respeito e profunda admiração.

Inicio este registro histórico com a seguinte mensagem:

Ao saudoso precursor da emancipação política de São Gonçalo, Francisco Da Rosa Muniz (Chico Cícero), os sinceros agradecimentos dos filhos de Araripina.

A população do povoado São Gonçalo sonhava com a sua independência. Entretanto a resistência do município sede Ouricurí era sempre maior; e acabava vencendo a força e os argumentos do povo do vilarejo. O tempo foi passando e as aspirações continuavam; embora, com remotas perspectivas.
Para alegria e contentamento de todos, surge um novo personagem na história da libertação do povoado. Seu nome: Francisco Da Rosa Muniz.
São Gonçalo, antigo distrito de Ouricuri, em momento algum perdeu esperança de que alcançaria a sua independência política, social e econômica. Haja vista, que o povoado agora, contava com a bravura, a luta implacável e a obstinação de um homem perseverante.
A dedicação do ilustre pioneiro, que se destacou com a sua luta incansável pela independência política do vilarejo São Gonçalo, distrito subordinado ao município de Ouricuri, foi a arma fundamental que contribuiu definitivamente, para o êxito da libertação de São Gonçalo do jugo daquele município.

Francisco da Rosa Muniz era dessas pessoas raras e especiais que merece o nosso respeito à sua memória e, acima de tudo, deve ser lembrado em qualquer época da existência de Araripina. A história de São Gonçalo que se emancipou com o nome de Araripina deve ser contada em versos e prosas; e repetida com orgulho e entusiasmo, para que os filhos da nossa terra conheçam a bravura de um líder determinado, solidário e fraterno. Cidadão que dedicou uma parcela da sua vida em prol da independência de Araripina.
Recentemente lendo pela enésima vez o livro do saudoso Francisco Muniz Arraes, “Araripina – História Fatos & Reminiscências” fiquei mais uma vez encantado com a dedicação e o empenho demonstrado pelo maior pioneiro que São Gonçalo abrigou, quando da sua jornada rumo à tão sonhada emancipação.
Com muita admiração enalteço FRANCISCO DA ROSA MUNIZ (Chico Cícero). Um herói, um pioneiro, um desbravador de obstáculos, um gigante de resistência aos infortúnios, um incansável batalhador por uma causa nobre. Eu tive a honra de conhecê-lo, o chamávamos carinhosamente de “Seu Chiquim Ciço”.
Cidadão de conduta ilibada, Francisco da rosa Muniz nasceu na cidade de Salgueiro – Pe no dia 12 de fevereiro de 1894, era filho de Coronel Pedro Cícero da Rosa Muniz e de Margarida Freire Muniz. Morou em Bodocó e em Ouricuri, onde exerceu várias atividades, entre elas, a política. Em 1917 mudou em definitivo para São Gonçalo. Era casado com Belmira Granja, de família tradicional de Ouricuri. Ambos construíram uma grande e respeitável família, que também participou da construção da nossa cidade.
Entre os feitos do inesquecível Chico Cícero cito aqueles que merecem destaques pela importância que representaram e pelas dificuldades que apresentaram quando da busca de suas conquistas.

1) Por ser um homem temente a Deus e um católico fervoroso tratou de reforma a capelinha da Vila São Gonçalo, com o intuito de oferecer mais espaço e conforto aos fiéis católicos do povoado;
2) Conseguiu a permissão para criação de uma paróquia para melhor atender às necessidades religiosas (casamento, batismo, missas e outras atividades);
3) Precursor do movimento político que deu origem à emancipação de Araripina (antiga São Gonçalo);
4) Foi prefeito de Araripina no período de 1932 a 1934;
5) Sua administração foi voltada para o ensino público;
6) Buscou através da atividade política, social e cultural, transformar o município de Araripina, numa cidade próspera e progressista. Hoje, seus habitantes acreditam e trazem consigo a marca registrada de grandes empreendedores que apostaram e apostam no desenvolvimento do município.
Termino este artigo com um bonito poema (parte) do nosso saudoso Francisco Muniz Arraes.
“Já não posso mais viver
Um passado tão distante.
Pois o tempo não garante
Dar a volta no querer.
E então, que vou fazer
Pra cumprir a minha sina?
Em silêncio, na surdina,
(Meu coração não é mudo…),
Tenho saudade de tudo
Que me lembra Araripina “.

Araripina – História Fatos & Reminiscências (Francisco Muniz Arraes).

Humberto Alves Bandeira