Operação Paradise em Araripina – Um ano de deflagramento

Hoje (7/5), faz exatamente um ano que a Polícia Federal em ação conjunta com a Controladoria Geral da União – CGU, deflagrou a Operação Paradise (uma alusão a um condomínio fechado, denominado Paraíso, que um dos investigados está construindo na cidade de Araripina) com o objetivo de desarticular esquema de desvio de dinheiro público na prefeitura de Araripina/PE. O grupo desviava recursos públicos que deveriam ter sido utilizados na construção de escolas, creches e quadras poliesportivas com verbas oriundas do Ministério da Educação.

“As investigações se iniciara em 2013 e revelaram que havia um acordo entre os licitantes para fraudar as licitações, uma vez que pela análise dos quadros societários das empresas licitantes e vencedoras haviam empregados domésticos e parentes dos principais envolvidos nos quadros societários. Foi verificada, também, a concessão de descontos padrões nas ofertas realizadas, típico de quem não está realmente disputando a licitação”. (http://www.pf.gov.br/agencia/noticias).

As obras, hoje, estão abandonadas, o que gera indignação da população, que não tem nenhuma satisfação da gestão municipal. As construções são fiscalizadas por alguns vereadores, que incluem 11 escolas, 2 creches, 4 quadras poliesportivas e a construção da Unidade de Pronto Atendimento 24 horas.

O município de Araripina tem sido visto em reportagens de jornal, por conta dessas obras, mais precisamente em Lagoa do Barro, onde os moradores estão revoltados, devido o atraso de conclusão de uma creche e uma quadra, e, em nota, a prefeitura disse que em junho retoma a construção das obras. Vamos esperar!

 

 

Obras de escolas na Zona Rural de Araripina, abandonadas pela Gestão Municipal

Todos os dias, se ouve falar em obras com recursos do Governo Federal abandonadas ou com prazo de conclusão atrasado, no município de Araripina.

As obras atrasadas ou abandonadas já foram investigadas pela Polícia Federal, ano passado, numa operação denominada Operação Paradise, que investiga a aplicação de R$ 8 milhões em recurso do Ministério da Educação, que deveriam ser investidos em 18 obras financiadas com estes recursos.

Hoje, o araripina.com.br  mostra algumas obras da Zona Rural: Escola da Serra do Marinheiro, Escola da Ponta da Serra, Serra do Cavaco, Serra do Ipa, Serra do Moraes, Serra da Rancharia, Escola da Vila Serrania, Escola do Sipaúba, Escola do Sítio Batinga e Serra da Torre, nessa ordem.

Escola da Serra do Marinheiro:

Escola Honorato Jordão, na Ponta da Serra:

Escola da Serra do Cavaco:

 

Escola da Serra do Ipa:

 

Escola José Clementino, da Serra do Moraes:

 

Escola da Serra da Rancharia:

 

Escola da Vila Serrania (falta em torno de 5% para a conclusão):

 

Escola da Sipaúba:

 

Escola do Sítio Batinga, que devia ser entregue à população no dia 25/06/2015, com um valor de R$ 1.013.200,61 (um milhão, treze mil e duzentos reais, e sessenta e um centavos):

 

Escola da Serra da Torre:

Todas essas obras, se tivessem sido concluídas, geraria economia para o município no que diz respeito ao transporte escolar, pois os estudantes não precisariam se deslocar para a sede.

Rancharia e Nascente também têm obras abandonadas pela gestão de Araripina

Além das obras atrasadas e abandonadas em Lagoa do Barro, os distritos de Nascente e Rancharia também possuem obras com verbas do Governo Federal em atraso. São quadras e escolas, também visitadas pelos vereadores Camila Modesto, Adeval Regis, Doval da Saúde e o presidente da câmara, Luciano Capitão.

Todas essas escolas são citadas na Operação Paradise, e nenhuma concluída. E como se não fosse suficiente, ainda existe a fiscalização do TCE, onde algumas escolas encontram-se em situação precária, com problemas nas instalações elétricas, local de armazenamento de alimentos que servem para a merenda escolar, entre outros problemas, que encontra-se sob investigação.

As obras que serão mostradas nessa matéria são dos distritos de Nascente e Bom Jardim do Araripe (Rancharia). São construções inacabadas ou, por assim dizer, abandonadas.

Obras de escola no distrito de Nascente:

 

Obra de Quadra Poliesportiva em Nascente:

 

Obra de Quadra Poliesportiva no distrito de Rancharia:

Gestor de Araripina lança candidato, mesmo com denúncias ao Ministério Público

Na última semana, vários comentários e matérias a respeito de obras inacabadas na cidade, com recurso do Governo Federal tiveram repercussão, depois que os vereadores Doval da Saúde, Camila Modesto, Deval Régis e o presidente da câmara, Luciano Capitão realizaram fiscalização nessas obras, e enviaram relatório para o Ministério Público em Salgueiro.

Os vereadores que fiscalizaram as obras, assim como a população, querem uma satisfação do prefeito a respeito dos recursos, que segundo assessoria, está em conta, mas o legislativo quer ver esses extratos, para saber realmente o que está acontecendo, já que algumas das obras, inacabadas são citadas na Operação Paradise.

Mesmo com todas as denúncias ao Ministério Público, com todas as notícias em torno da má administração do gestor de Araripina, esse lançou seu pré candidato a prefeito do município, e consequentemente, “seu sucessor”, na noite de ontem, sexta feira, 29.

Após o vereador, Tião do Gesso, também ter dito, em entrevista, em rádio da cidade, que o prefeito não estava lhe apoiando, entrou em contradição, pois ele, é, realmente, o candidato do prefeito, o que foi anunciado na noite passada em evento de posse do diretório do Partido Solidariedade 77.

 

 

 

 

Saiba a função do Carro de Fiscalização da Câmara de Vereadores de Araripina.

No dia 26 de abril, conversamos com o presidente da Câmara de Vereadores de Araripina, Luciano Capitão, sobre o Carro de Fiscalização e qual a finalidade desse carro, usado pelos vereadores, que está a disposição das duas , mediante ofício à mesa diretora.

O Carro de Fiscalização surgiu de um projeto da Câmara de Vereadores de Araripina, em 2015, cujo recurso foi de economia feita pelos vereadores, para que viesse ajudar o trabalho da câmara, no sentido de fiscalização.

O trabalho de fiscalização é feito através de denuncias da população, que tem problemas nos bairros, nas escolas do município, de infraestrutura.

Após a fiscalização, os vereadores levam toda a demanda para a câmara. Segundo o presidente da câmara, Luciano Capitão, eles (vereadores) não resolverão os problemas, mas farão a parte deles: enviar  através de requerimento, para a Prefeitura Municipal de Araripina.

O carro foi utilizado, nos últimos dias, para inspecionar as obras do Governo Federal, onde dezesseis dessas obras fazem parte da Operação Paradise, e dentre essas, apenas uma pronta e três funcionando. O restante das obras, paradas, abandonadas, com tempo de término totalmente ultrapassado, onde a maioria deveria ter sido concluída em junho de 2014, mas o desmando com o dinheiro público é visível, acrescentou Luciano.

O presidente disse ainda que isso os preocupa, pois esses problemas já foram enviados para o executivo, e eles percebem a falta de preocupação por parte do gestor. “O tempo está passando, e essas obras estão ficando para o próximo gestor, e dessa forma a nova administração pode ser prejudicada”, disse o presidente.

Os vereadores estão encaminhando toda documentação ao Ministério Público, para que este tenha um posicionamento, fazendo com que o gestor atual conclua as obras, pois quem perde é a população.

Foi perguntado ao presidente da câmara sobre a desculpa que o gestor dá pela não conclusão das obras, o que foi respondido que não se tem nenhuma resposta do prefeito, porém o líder do governo diz que esse dinheiro (das obras) está nas contas, e ficou de mostrar o relatório com os extratos das contas, porém, até aquele momento não havia chegado às mãos dos vereadores, nenhum extrato e que fica a indagação:  “se o dinheiro está nas contas, por que não se conclui as obras”?