Diagnósticos de ‘Calazar’ aumentam em Araripina

Aumentou o número de diagnósticos de Leishmaniose Visceral, conhecida popularmente por ‘calazar’, em Araripina, no Sertão de Pernambuco. A doença, que é mais comum em animais, mas é transmissível ao homem, foi identificada em cinco cachorros em 2014 e em 20 cães nos primeiros meses de 2015. A Leishmaniose é causada por um protozoário que é transmitido por um mosquito.

Segundo o coordenador de Vigilância Sanitária e Epidemiológica de Araripina, André Batista, o aumento nos casos se deve à intensificação nos diagnósticos. “Como na região do Araripe não tem centros de zoonoses, os diagnósticos são feitos pela rede privada, então o número pode ser maior. Estamos conversando com as clínicas para que essas informações sejam repassadas”, afirmou.

Ainda de acordo com André, no ano passado, uma criança morreu por consequência da doença e os cuidados aumentaram para prevenir casos como esse e identificar de forma precoce. “Este ano, por exemplo, uma criança foi diagnosticada logo no início, foi tratada e agora está bem”, explicou.

Segundo o coordenador, existem sintomas que podem indicar a Leishmaniose Visceral nos animais. “O animal perde o apetite e, consequentemente, o peso. Aparecem feridas nas articulações, no focinho, orelhas e cauda, os pelos caem e as unhas crescem. Podem acontecer também vômitos e sangramentos”, contou.

Já nos seres humanos os sintomas são febre moderada de longa duração, anemia, perda de apetite, emagrecimento e aumento do fígado e baço. André Batista explica ainda que diferente do que algumas pessoas pensam, a doença não é transmitida com o contato com animais doentes e, sim, pela picada do mosquito.

As formas de prevenção são a vacinação de cães e gatos e a higienização das casas. “O lixo e esgoto costumam atrair mosquitos, por isso a limpeza é importante. O contágio em humanos geralmente acontece em locais onde a situação sanitária é precária. Já a vacina não é disponibilizada pelo Ministério da Saúde, então só acontece na rede privada”, disse. A outra forma de evitar a transmissão é sacrificando os animais doentes. “Infelizmente não há no Brasil tratamento para os cães ou gatos infectados, então as clínicas optam pela eutanásia”, acrescentou.

Fonte: G1.globo.com

Secretaria de Saúde prepara ação de combate a Leishmaniose em Araripina

A Secretaria de Saúde de Araripina, Sertão de Pernambuco, estará preparando uma grande ação de combate e prevenção na próxima quinta-feira (14), contra a Leishmaniose, comumente conhecida como o calazar. O responsável pela vigilância sanitária, André Batista, falou hoje pela manhã em uma rádio local sobre a importância da vacinação de animais para evitar o contagio e a proliferação da enfermidade.

Juntamente com o veterinário Welliton, que falou sobre as precações que devem ser tomadas para evitar a proliferação de bactérias onde o animal esta alojado e que cuidados simples podem ajudar a evitar tais ocorrências; levantou como principal ponto a importância de manter o ambiente a qual o animal permanece limpo de suas fezes e urina, pois os mesmo podem ser incubadores do inseto transmissor.

Apesar da ação que acontecerá, a Secretária de Saúde dispõem apenas da vacina antirrábica, a vacina contra a Leishmaniose deve ser custeada pelo próprio dono do animal em uma unidade de saúde animal com um veterinário ou responsável.

Ouça abaixo a entrevista completa:

 

https://www.youtube.com/watch?v=n1PeggG91DM&feature=youtu.be

 

Ampara realiza feira de adoção em Araripina

Aconteceu no último domingo (26), na Praça do Hospital, no centro de Araripina, Sertão de Pernambuco, a primeira Feira de Adoção da Ampara – Associação Mantenedora de Proteção aos Animais de Araripina idealizada pelos seus coordenadores na tentativa de dar lar, amor e carinho aos pequenos filhotes que tem feito moradia em sua sede.

O evento atraiu populares diversos, principalmente crianças que se encantaram com os filhotinhos. Segundo uma das coordenadoras, Sanna Modesto, o anuncio de que cães e gatos estariam amostra para adoção se tornou inviável pela inviabilidade de transporte dos felinos até o local, assim possibilitando apenas o transporte dos caninos, que em sua maioria saíram de lá para lares felizes e cheios de amor.

Todos os animais presentes e consequentemente adotados na feira realizada pela Ampara, já se encontram devidamente vacinados e vermifugados, cabendo ao seu novo dono as próximas dosagens das respectivas vacinas necessárias. A Ampara, porém, se prontifica a está realizando a castração dos animais adotadas na feira dentro do período que for conveniente com agendamento antecipado.

A Ampara não possui vínculos lucrativos e se mantém graças a seus responsáveis, encabeçados por Sanna Modesto, Gilmara Oliveira e Cristinete Costa, além do veterinário Gustavo Modesto; contando também com apadrinhamentos, associados e doações realizadas a mesma. Aos interessados em conhecer a Ampara, a mesma está localizada à Travessa José Barreto de Sousa Sombra e o contato pode ser realizado através do telefone (87) 9928 7697.