Foram 18 meses de pesquisa, numa parceria entre os apicultores do Sertão do Araripe em Pernambuco, o Sebrae e o Centro Pernambucano de Design. A chamada ‘máquina desoperculadora’ de favos de mel, que retira o opérculo, cera que reveste o local onde as abelhas depositam o mel, já está em funcionamento. É capaz de reduzir de retirada da cera do favo e diminuir o desperdício no processo de extração do mel.

A máquina será patenteada pelos cooperados de Araripina, Bodocó e Parnamirim.  Os produtores de mel destes municípios, atendidos pelo Projeto Apicultura no Araripe do Sebrae começaram a utilizar o equipamento em 2013.

mel_3A máquina é elétrica e remove, por atrito de cerdas, o opérculo que bloqueia a passagem do mel. Essa mecanização pode melhorar a qualidade de vida dos apicultores. Sem a máquina, o trabalho precisa ser feito manualmente com o auxílio de garfo com agulhas de aço inox, o que requer prática e exige mais tempo do operador. “Com esse equipamento, o que antes era feito em dois ou três minutos, passa a ser feito em até 15 segundos”, explica a gestora do Projeto Apicultura no Araripe do Sebrae, Josiana Ferreira.

De acordo com a técnica, o órgão resolveu investir no instrumento para facilitar o trabalho dos apicultores do Sertão do Araripe, dentro do projeto Sebraetec, que tem como meta levar inovação e tecnologia para pequenos negócios. Foram fabricados vários protótipos até chegar o modelo final, aprovado pelos produtores de mel.mel_2

O equipamento já foi entregue às três associações representantes das cidades de Araripina, Bodocó e Parnamirim, que compõem a Cooperativa de Apicultores e Meliponicultores da Região do Araripe (Coampis). Esse grupo é que deve receber a patente do equipamento e os direitos de comercialização. “A máquina é muito prática. Qualquer pessoa pode operar, desmontar e limpar. Além disso, ela reduz o desperdício em até 10%”, relata a coordenadora.

Para o coordenador do Pacto da Apicultura do Sertão do Araripe (PASA), fórum que integra 10 associações da região, Francisco Idelfonso, a máquina deve contribuir para melhorar a produção de mel. A região do Sertão do Araripe é uma das maiores produtoras do país, mesmo sem incentivos dos Governos. “O Brasil está muito atrasado na tecnologia do processamento de mel. Comparando o nosso país com a Argentina, por exemplo, estamos na idade da pedra, considerando que eles têm máquinas totalmentemel_1 automáticas”, afirma.

De acordo com o coordenador do PASA, em condições climáticas favoráveis o Araripe consegue ter produção anual 2,5 mil toneladas de mel. “Só a cidade de Araripina, chega a produzir de 680 a 700 toneladas todos os anos”, relata Francisco Idelfonso.

Segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, a Região Nordeste produziu mais de 17 mil toneladas, destas Pernambuco foi responsável por mais de 2 mil toneladas. Entre os principais municípios produtores de mel estão Araripina-PE, Ortigueira-PR e Santana do Livramento-RS.

Fonte: G1.com

Deixe um comentário

O que você achou disto?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: