O Dia Internacional da Mulher se aproxima e o combate à violência de gênero ganha reforço com campanhas nas delegacias especializadas em Pernambuco. Segundo dados da Delegacia da Mulher, apesar dos crimes contra vítimas do sexo feminino chamarem a atenção pela frequência com que ocorrem, o número de prisões enquadradas na Lei Maria da Penha em 2013 aumentou 44% em relação ao ano anterior, em Pernambuco.

Lei-Maria-da-Penha1
Fonte: 3.bp.blogspot.com

A defesa das mulheres e a punição para atos machistas e violentos é motivo de comemoração. “Nós temos a orientação e os policiais têm que registrar qualquer ocorrência contra a mulher. O agressor recebe uma tornolzeleira e a gente acompanha todo o percurso que ele faz, para que não se aproxime da mulher”, afirma a delegada Lenise Valentim.

Segundo ela, sem as mudanças trazidas pela lei não haveria a permanência do agressor na cadeia ou artifícios de proteção à mulher. “Manutenção da prisão vai depender de vários fatores. Mas se ele foi preso em flagrante, isso representa um ganho porque antes da lei, dependendo do fato que ele cometesse, ele ia responder a um termo circunstanciado, pagar uma cesta básica, talvez. Agora ele pode ser monitorado e, se descumprir alguma medida, pode ser preso novamente”, conta.

Atualmente, a proteção à mulher funciona através do chamado ‘Patrulhamento Maria da Penha’ e o monitoramento eletrônico, que consiste no acompanhamento via tornozeleira feito pela Secretaria-Executiva de Ressocialização. “O patrulhamento é uma ação da Secretaria da Mulher e da Polícia Militar, que vão até a casa da mulher para saber se houve uma nova tentativa de agressão”, afirma. Caso haja, ela será encaminhada novamente à delegacia para dar encaminhamento à outra denúncia. “É uma forma de juntar esforços para tentar proteger a mulher”, justifica a delegada.

Além do Recife, as cidades de Paulista, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho, Vitória, Goiana, Surubim, Caruaru, Garanhuns e Petrolina contam com delegacias especializadas no atendimento à mulher vítima de violência.

 Fonte: G1.com

Deixe um comentário

O que você achou disto?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: