CARTA MATUTA DE UM POETA DO SERTÃO

CARTA MATUTA DE UM POETA SERTANEJO

Autor e Remetente: Dé Pajeú.
Endereço: Cafundós do Sertão Pernambucano.

Destino: Cacá Lopes
Lajeado -Periferia – Zona Leste de São Paulo.

Meu cumpade Cacá Lope
Um forte aperto de mão,
Receba o meu abraço
De alma, de coração,
Desse amigo cantadô
São versos de gratidão.

É uma carta matuta
Um “disabafo” rimado,
Das “coisa” qui só acontece
No Sertão “ixturricado”
Pra você qui tá ozente
Num ficá “dizinformado”.

Cacá, aqui nessas “banda”
A situação tá é pió,
Eu já tô é avexado
Miséra é di fazê dó,
Pra isquecê a lamúria
Só caindo num forró.

Aqui no nosso Sertão
Tá tudo é “dirmantelado”
Com o vírus da evolução
O povão ta “imbriagado”,
Ninguém “trabaia” “marnão”
É um funaré lascado.

Nos cafundó do Nordeste
É grande a “isculhambação”,
Tem um labaçé de “mota”
De D-vinte e caminhão,
O jogo di curingado:
Cana e “proxtituição”.

Tem “caba” qui baba o quêxo
Com arnêga a requebrá
“Bebo” “fazeno” munganga
Pus povo bom “ispiá”,
E o futuro das “criança”
Ninguém sabe aonde tá.

Minina “cunspeito” inxado,
Siparésse dois mamão.
Dá pena vê êsses pôvo,
Sem futuro no Sertão,
É um “fuá”” mizerável”
E um mundo di perdição.

Muié novinha “parino”
Somente pra recebê
O dinhêro do guvêrno,
Qui a criança nunca vê
Pruquê ela compra cum ele
Parabólica e Vevedê.

Toma “ceuveja” gelada
Curte som e fica a olhá,
Uzómi tomano pinga
E a “fiarada” a “isperá”
In casa, cum buxo seco
Sem tê o que alimentá.

Amigo! A “corra” tá feia
O Sertão tá ôto mundo,
Nas “calçada”, nus buteco
Tá assim de vagabundo,
De quenga, de caxassêro,
O “pobrema” é profundo.

Tem uns “véi” “apuzentado”
Qui inventa di namorá,
Inquanto dêxa in casa
A veinha a lhe “isperá”,
Vai bebendo, vai curtindo
A cabeça vai ingaiá.

Vai pra feira, enche a cara
Perde o saco na “istrada”,
“Isquece” a “bicicreta”
Num tráiz feira, nun tráiz nada,
É um “furdunço” da gota
Êta vida “ atulemada”.

Mente pra sua “muié”
Aumenta a confusão,
Diz: o bolso tava furado
E eu perdi todo “tustão”
É comum vê esses cabra
Esses “tipo” no Sertão.

Meu amigo Cacá Lope
Eu vivo é “incabulado”
Aqui no nosso rincão
É um funaré laskado
É minino caxassêro
E muito “aduto” safado.

Sapatão, quenga, baitola
Dá inté pá importá,
Axé, fânki, som muderno
Ajuda a “iscuiambá”
Nega cum rabo di fora
Criança vê qué copiá.

Mas Cacá, um dia desses
Eu fui a uma vaquejada,
E “resurví” tomá uns gole
Cuma se diz, uma lapada
E chamei para dançá
Uma negona aloprada.

Eu já “quage” “imburanado”
Com a morena abufelei,
E bebo é “bixo” safado
Os “trabái” eu cumeçei
Tava cá gota serena
Quando um passo “infalso” dei.

A côrra “tafa ficano”
Muito bom, tava “arroxado”
Mas se eu num fosse “isperto”
Eu tinha me arrombado
Pois a “|pexte” da morena
Num era um diacho dum viado!

Aguardem brevemente, a resposta de Cacá para Dé Pageú.

São Paulo, 21 de julho de 2009.

Publicado por Cacá Lopes

Sou cantor e compositor profissional, além de poeta popular. Trabalho com música e cordel.Nasci em Araripina-PE, no sopé da chapada do Araripe, região encantada que deu a humanidade Patativa do Assaré e Luiz Gonzaga, referenciais sempre presentes em minha arte.

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.