Araripina Futebol Clube pode subir para a primeira divisão do campeonato pernambucano

Time do bode precisa vencer ou empatar o jogo com o Afogadense nesse próximo domingo

Do que depender da torcida araripinense, o Araripina Futebol Clube, no dia 16 de agosto, marcará um feito histórico. O clube do bode poderá a partir desse dia começar a desenhar um novo capitulo na história do clube, que já pode ter até local e hora marcada: a partir das 15:15h, no Estádio Municipal Gilson Tirbutino de Souza (Chapadão). Agora dependerá da garra, força e estratégia da equipe e do técnico Pedro Manta para que o Araripina Futebol Clube passe para a primeira divisão e entre finalmente, e pela primeira vez, na elite do futebol pernambucano.

Para essas novas páginas marcarem a história do time basta uma vitória, ou melhor ainda, um empate, neste próximo domingo (16), diante do Afogadense, de Afogados da Ingazeira. Vencendo, o time do bode garante sua classificação para a final do campeonato da série A2 e ganha imediatamente uma vaga na primeira divisão do campeonato pernambucano.

Se tudo isso acontecer, os araripinenses poderão ver em 2010 o time do bode enfrentando clubes grandes como Sport, Náutico, Santa Cruz, entre outros. A expectativa é grande, e se esse fato inédito acontecer a cidade de Araripina poderá ganhar destaque ainda mais na região do Araripe e nas páginas dos jornais pernambucanos, não só na editoria de eventos, mas nas páginas de esportes também.

Natal será a sede do Nordeste Invest 2010

* Por Karina Moraes

A cidade de Natal (RN) será a sede do Nordeste Invest 2010, o mais importante evento de investimentos imobiliários e turísticos do Brasil. O anúncio foi feito ontem (23) pelo diretor executivo da ADIT Nordeste, Peixoto Accyoli, e pelo secretário estadual de Turismo, Fernando Fernandes. O evento será realizado entre os dias 10 e 12 de maio do próximo ano, no Centro de Convenções.

A atração das redes hoteleiras e fundos de investimentos será um dos focos principais do Nordeste Invest 2010. “Com a crise mundial, o cenário mudou. Os investidores internacionais vêm principalmente para o Brasil apostar no grande potencial do mercado local”, explicou Accyoli.

Sobre a realização do Nordeste Invest 2010, o secretário estadual de Turismo, Fernando Fernandes, acredita que o evento será uma ótima oportunidade de negócios a serem gerados. “Participo desse evento desde 2007 e há três anos estamos tentando trazer o Nordeste Invest para o nosso estado. Sem dúvida, esse evento virá no momento mais oportuno, pois a crise internacional já terá se acalmado, além de sermos uma das cidades-sede da Copa de 2014”, destacou Fernandes.

Fernando Fernandes destaca ainda que o evento trará um grande ganho para o turismo do Estado, pois além dos investidores internacionais que participam do Nordeste Invest, o evento ainda traz grandes jornalistas estrangeiros, como aconteceu nesse ano em que jornais como The Times, Financial Times, El País e Diário Econômico vieram participar do Nordeste Invest 2009. “A cidade ganha também com a mídia espontânea dos jornais estrangeiros que, indiretamente, divulgarão os potenciais turísticos de Natal”, declarou o secretario de turismo.

O Nordeste Invest vai para sua quinta edição. Em 2009 ocorreu em Maceió, o evento contou com 1.320 participantes, 105 investidores internacionais, 84 empresas interagindo na Rodada de Negócios e 24 jornalistas internacionais. Durante o evento, ocorreram 339 reuniões agendas e foram prospectados mais de R$ 450 milhões em negócios.

* Karina Moraes é jornalista e assessora de imprensa da ADIT Nordeste ( Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Nordeste Brasileiro).

Sílvio Bezerra e Jorge Mororó, vice-presidente e conselheiro da ADIT, respectivamente, também participaram do anúncio do Nordeste Invest 2010. Logo após foi servido um almoço de confraternização para os jornalistas presentes, como também para os associados da ADIT do Rio Grande do Norte.

Mini-submarino que encontrou Titanic fará parte das buscas dos destroços do voo AF 447

imagem1Por Karina Moraes, com informações do G1 e Reuters Aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) encontraram na madrugada desta quarta-feira (03) mais destroços do Voo AF 447. A confirmação de que os primeiros destroços do Airbus 330 foram encontrados foi dada ontem pelo ministro da defesa, Nelson Jobim. De acordo com a Força Aérea, os destroços encontrados foram peças brancas, fiação e mancha de óleo dispersos por cerca de 6 quilômetros. O local onde foram encontrados os primeiros destroços é umas das regiões mais hostis do oceano. A profundidade chega a 4 mil metros. Além disso, o fundo do mar ainda é cheio de montanhas, aonde as ondas chegam a dois metros de altura. Segundo os especialistas, a maior dificuldade será de encontrar a caixa preta do avião que pode está submersa a mais de 4 mil metros de profundidade. Para ajudar nas buscas da caixa preta, o mini-submarino francês Nautille, usado em operações de busca das carcaças do Titanic, deverá participar do resgate, já que pode mergulhar a profundidade de até 6 mil metros. O acidente O Airbus A330 saiu do Rio de Janeiro no domingo (31), às 19h (horário de Brasília), e deveria chegar ao aeroporto Roissy-Charkes de Gaulle em Paris, no dia 1º às 6h10 ( horário de Brasília). De acordo com nota divulgada pela FAB, o voo fez o último contato via rádio com o Centro de Controle de Aérea Atlântico (Cindacta III). No voo AF 447 tinham 228 passageiros e 12 tripulantes, sendo 126 homens, 82 mulheres, sete crianças e um bebê. * Karina Moraes é jornalista e assessora de imprensa da ADIT Nordeste.

Avião que iria para Paris desaparece no Atlântico

02094310200* Por Karina Moraes, com informações do G1

O Voo AF 447, que partiu do Rio de Janeiro às 19h03 de ontem (31) com destino a Paris deveria ter chegado na capital francesa hoje (01) pela manhã, no entanto a aeronave não chegou no destino esperado. Segundo a Aeronáutica, o avião da Air France fez o último contato via rádio com o Centro de Controle de Área Atlântico (Cindacta III) próximo a Fernando de Noronha, as 22h33.

A partir daí os radares não conseguiram mais localizar a posição do Airbus. As buscas começaram ao nascer do Sol. Segundo a companhia Air France, o avião estava com 216 passageiros a bordo e 12 tripulantes. De acordo com as últimas informações da companhia, destes passageiros 80 eram brasileiros, 73 franceses, 20 alemães e pelo menos 10 italianos. A lista oficial dos passageiros ainda não foi divulgada, o que deverá ser feita assim que forem checadas as nacionalidades de todos os passageiros pela Polícia Federal Brasileira.

Ainda não se sabe o que aconteceu com o voo AF 447, mas a causa mais provável é que a aeronave tenha sido atingida por um raio e tenha caído no meio do oceano atlântico, depois de ter passado por uma forte tempestade. Segundo a nota de condolências aos familiares dos passageiros, a Air France está concentrando todos os seus esforços em dar suporte às famílias e parentes. A empresa está disponibilizando assistência psicológica às famílias dos passageiros e tripulantes. Para isso, conta com médicos, psicólogos e voluntários treinados em aeroportos de Paris e do Rio.

As buscas começaram no inicio da manhã. Três aviões da Força Aérea Brasileira e três navios da Marinha foram disponibilizadas. A Air France colocou à disposição de familiares um telefone que centraliza informações sobre o acidente: 0800 881 2020 para o Brasil; 0800 800 812 para a França, e +33 1 57021055 para outros países.

* Karina Moraes é jornalista e assessora de imprensa da ADIT Nordeste.

Chuvas no Nordeste: cadê a mobilização?

 

 

Por Karina Moraes*

 

Visita aérea de região alagada no MaranhãoSão mais de 300 mil pessoas afetadas. Destas, quase 80 mil famílias desabrigadas, 25 municípios em estado de emergência e centenas de mortos? Esses números te impressionaram? Pois é, esses são os dados mais recentes das chuvas que vem acontecendo no Nordeste, principalmente nos estados do Piauí e Maranhão.

 

Se esses números te preocuparam, a opinião pública e o restante do Brasil, como diz o Deputado Sérgio Moraes (PTB – RS), estão se lixando para isso. E ainda se diz que não há preconceito com o Nordeste? Vamos relembrar!

 

No ano passado uma grande enchente destruiu Santa Catarina. Foram 13 mil pessoas desabrigadas. Não que a desgraça tenha sido menor ou maior, aqui não se cabe relevância das coisas e sim a atitude de ajudar ao próximo. Quando essa catástrofe aconteceu, toda a mídia estava voltada para essa causa nobre. Ali se exerceu o jornalismo como ação social. Famosos, políticos, artistas e até pessoas anônimas se conscientizaram. Resultado: o Brasil deu as mãos em prol de uma causa comum, o que é muito difícil acontecer nos dias de hoje. Alimentação, roupa, dinheiro e água foram algumas das doações que os desabrigados receberam. E ainda tinha gente que disponibilizava algumas horas do seu dia para ir até o local ajudar ou até mesmo acalmar os corações dos mais aflitos. Atitude bonita e acima de tudo humana! Santa Catarina recebeu ajuda dos quatro cantos do país. É como dizia aquela velha propaganda do Governo, do Oiapoque ao Chuí.

 

Quem não se lembra daquele comercial na TV em que se passava o número de uma conta bancária para ajudar aos desabrigados? Quem doou ou quem não doou não sabe se realmente o dinheiro foi para desabrigados de Santa Catarina.  Hoje tem tanta trapaça, que muita gente até desconfia se realmente a sua doação cairá em mãos corretas. No entanto, não é essa a discussão!

 

O que realmente importa é: como o Brasil tem ajudado as pessoas atingidas pelas chuvas no Nordeste? O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, até deu uma passadinha de helicóptero para ver como estava o estrago. Mas cadê a mobilização nacional? Cadê as campanhas de doação, as camisas de solidariedade, os famosos lutando por essa causa e até visitando esses pobres desabrigados? Cadê Ana Maria Braga visitando os pobres nordestinos? Ela não visitou os sulistas? Nada mais que justo ajudar também o povo do Nordeste.  Será que desgraça também é dividida por região “a pobre e a rica”? Me parece que sim.

 

O fato é: não vemos campanhas, colaborações efetivas e nem mobilização nacional. O que a mídia informa é quanta chuva já caiu e quanta ainda vai cair. Isso serve para desesperar ainda mais quem mora na região. Não sei se é apenas preconceito com o Nordeste, mas o que vejo é interesse político correndo pelas veias.

 

Hoje, assistindo o jornal, recebi uma triste notícia. Tem cidades no Maranhão que simplesmente estão cobertas de água. Isso é o caso da cidade de Trizidela do Vale, a 300 quilômetros de São Luís. É muito triste ver pessoas que perderam tudo, sem casa, sem comida. A cidade parou, simplesmente nada funciona. As escolas, entidades públicas e privadas simplesmente fecharam as portas. Mas, a questão é: quantas cidades precisam desaparecer nas enchentes e quantas pessoas precisam morrer para que o Brasil possa despertar para o que está acontecendo no Nordeste? Não sei, mas enquanto o interesse político estiver acima de tudo essas pessoas jamais serão vistas como simples seres humanos, sendo nordestinos ou não.

 

* Karina Moraes é jornalista e Assessora de Imprensa da ADIT Nordeste ( www.aditnordeste.org.br )