Viagem à Europa nada custou para PMA, tudo pago pela UE

A União Europeia convidou e custeou todas as despesas do emissário do município de Araripina, no sertão de Pernambuco, para o 1º Programa de Cooperação Internacional Cidade a Cidade acontecido na semana passada na cidade de Bruxelas, na Bélgica. Convidado pela União Europeia a se fazer presente no evento, a mesma custeou todas as despesas do Secretário de Desenvolvimento, Ciências e Tecnologia, Hermes Alves, tal qual hospedagem, alimentação, transporte e ainda uma ajuda de custo em euros, no valor aproximado de R$ 500 reais.

Dando início das ações que serão desenvolvidas pela cooperação, o projeto de revitalização do Riacho São Pedro, em Araripina, será operacionalizado por uma delegação da cidade de Santo Tirso, em Portugal, que deverá chegar em Araripina em meados de março de 2018, promovendo a cooperação e dando o pontapé inicial para execução; importante destacar que a delegação de Santo Tirso também terá suas despesas custeadas totalmente pela União Europeia.

Dando clareza e satisfação a comunidade Araripinense, segue abaixo os pré-requisitos que levaram Araripina a ser selecionada, todos explicados em minúcia abaixo:

 Critérios para seleção de cidades e consórcios brasileiros

Os consórcios/cidades candidatos no Brasil devem cumprir um ou mais dos seguintes critérios:

  • Tamanho:

Se buscará um equilíbrio entre essas três categorias de seleção:

Categoria 1: cidades e consórcios intermunicipais com população de até 100 mil habitantes (Araripina se encaixa nessa categoria)

Categoria 2: cidades e consórcios intermunicipais com população entre 100 mil e 500 mil habitantes

Categoria 3: cidades e consórcios intermunicipais, com uma população de mais de 500 mil habitantes

 

  • A adesão ao Pacto de Prefeitos pelo Clima: o compromisso de ser um membro antes do início da cooperação.
  • Políticas públicas: O município/consórcio já possui políticas públicas locais e iniciativas implementadas ou em execução no tema proposto de cooperação.
  • Compromisso para a cooperação: capacidade humana que trabalhará com parceiros internacionais.
  • Tema da cooperação: relevância das questões urbanas propostas para a cooperação.
  • Compromisso de continuidade: O compromisso pode ser medido em termos de pessoas, tempo, co-financiamento, apoio à participação do setor empresarial, sinergias com outras iniciativas, etc.
  • Participação do setor privado e sociedade civil: Capacidade para envolver o setor empresarial e a sociedade civil por meio de políticas e iniciativas sobre a mudança climática.
  • Valor agregado: Qual o valor agregado para a implementação de políticas públicas que traz esta cooperação.
  • Apropriação da iniciativa: O prefeito(a) tem que assinar um documento de compromisso para demonstrar que há apoio político para colaboração.

 

Deixe uma resposta